PT
EN

Turismo

Tem algumas comidas que são a cara do recifense. Tipo bolo de rolo. Só tem aqui, o resto é rocambole. Caldinho de feijão na praia e no barzinho? Só tem aqui. A tapioca fininha é hábito nordestino, mas que os pernambucanos trataram de exportar para todo o Brasil. Afinal, qual o lugar obrigatório do turista comer tapioca? O Alto da Sé de Olinda, claro.

Mas para quem quiser repetir a experiência ou veio em viagem rápida, dá para degustar uma bela tapioca no Skillus Steak House, que fica no segundo piso. Diariamente, a partir das 17h, a casa conta com tapioqueira preparando na hora o quitute para os visitantes. Elas podem levar de queijo a tomate seco e manjericão e contam com um ingrediente especial: cebola frita. O Skillus serve ainda outras duas iguarias pernambucaníssimas: bolo de noiva (com vinho e ameixa) e bolo Souza Leão (com massa de mandioca e coco). Peça um café para acompanhar e se delicie.

Quase tão famoso quanto o frevo pernambucano, a Praia de Boa Viagem e o Carnaval de Olinda, o bolo de rolo é cartão de visitas do Recife. E um deles, em especial, é reverenciado como “o” bolo de rolo. No Shopping Recife, é possível encontrar esta iguaria, produzida e vendida pela Casa dos Frios, em quiosque no segundo piso. Além do tradicional de goiaba, há opções em doce de leite e chocolate para comer no local ou levar na caixinha pronta para viagem. E se quiser variar, tem biscoito de bolo de rolo também.

Pão francês tostado quentinho, com queijo do reino derretido. Assim é o Tostex do 28, outro clássico do Recife, à disposição no Boteco Steak Bistrô. Petisco servido originalmente pelo Bar 28, no Bairro do Recife, o sanduíche virou queridinho dos notívagos e ganhou as mesas de várias casas locais. Uma dica: capriche no molho inglês. O Boteco também criou hambúrgueres homenageando os blocos Galo da Madrugada e Madeira do Rosarinho, e o frevo Voltei, Recife, hino afetivo da cidade, famoso em todo o País. O Galo, por exemplo, virou hambúrguer com pão kaiser, queijo de coalho, tomate, alface, cebola caramelizada, mel de engenho e charque desfiado puxado na manteiga de garrafa. É possível degustar ainda coxinha de macaxeira com charque na casa.

 

A carne de charque é realmente uma das preferidas do pernambucano. Prova disso é que a Barnabé, especializada em empadinhas, tem como campeã de vendas a empada de charque com catupiry. Mas como, em se tratando de empada, quase sempre é impossível comer uma só, vale experimentar, depois da versão salgada, a doce “romeu e julieta”, de goiabada com queijo. Imagina tudo isso quentinho, derretido, desmanchando a cada mordida...

Tem coisa que pernambucano ama e não é exatamente exclusivo daqui. Um exemplo é o caldo de cana. Geladinha, a bebida oficial das feiras e dos mercados, como o histórico Mercado de São José, localizado bem no Centro do Recife, agrada adultos e crianças pelo sabor adocicado e refrescante. Na Pastelo, é possível degustar a dobradinha “pastel e caldo de cana”. O mais pedido é o de frango catupiry, fica a dica.

No quesito iguarias que são a cara do Recife, a Cartola fica ali, dividindo o primeiro prêmio com o bolo de rolo. Feito com banana, queijo de manteiga, açúcar e canela, o prato é servido na maioria dos restaurantes da capital pernambucana. Aqui no Shopping Recife, ela é o carro-chefe das sobremesas do Tio Armênio, reduto português instalado no primeiro piso do mall. Não curte banana ou canela? Então aposte no cheesecake de bolo de rolo. É nada mais, nada menos que bolo de rolo gelado, recheado com cream cheese e servido com sorvete de creme (!). E se a fome for maior que uma simples sobremesa e for terça-feira, não se faça de rogado. A Peixada Pernambucana é o prato do dia da casa, com direito a filé de sirigado, arroz e pirão.

 A carne de sol é outro ingrediente de presença marcante na gastronomia nordestina. No Recife, ela substitui muitas vezes o charque no arrumadinho (feijão-verde, farofa, carne torradinha e vinagrete) e pode ser consumida até no café da manhã, com macaxeira ou cuscuz. No restaurante Plim, um dos mais antigos do mall, ela é a estrela do prato batizado de Paixão Nordestina. Vem para a mesa em versão acebolada e escoltada por arroz, feijão-verde, farofa de jerimum e vinagrete. Farofa de jerimum, minha gente, é amor. Confia!

Camarão Recife, Camarão Olinda e Camarão Itamaracá. Poucos restaurantes do Shopping Recife prestam tantas homenagens de uma vez só. Para não deixar as cidades-irmãs, e nem a ilha do litoral norte, com ciúmes, o Coco Bambu, instalado no centro de compras há mais de três anos, incluiu no cardápio pratos batizados com nomes dos destinos. Mas se a vontade for variar de crustáceo e experimentar outros sabores, a Rede de Pescador é tentadora. Serve duas ou quatro pessoas e reúne lagosta, camarão, lula, mexilhão, filé de pescada amarela, tudo grelhado e regado ao molho provençal. Arroz cremoso de açafrão acompanha. Para beber, caipirosca de Coco Frozen, servida na quenga de coco, ou o Sertanejo: limão-siciliano, lima-da-pérsia, vodka Absolut e um ingrediente pernambucaníssimo: rapadura.

A gastronomia é mesmo um dos pontos mais importantes para os viajantes. Perfumes, texturas e experiências conduzem a viagens inesquecíveis e fazem muita gente rodar o mundo atrás daquele prato ou restaurante especial. A sofisticação e o sabor têm espaço garantido no Recife e, no shopping, são destaque no The Black Angus. Unindo restaurante, hamburgueria e bar de vinhos, a casa tem como trunfo as carnes nobres. O visitante escolhe como quer que elas cheguem à mesa: ao ponto, malpassadas ou bem passadas. Para quem viaja em família ou com amigos, o Black Prime é o ideal. Serve bem até cinco pessoas, com bife de tiras, T-bone, York e quatro acompanhamentos à escolha. Ah, lembra de guardar espaço para o abacaxi grelhado de sobremesa. Vem aberto, recheado de sorvete... é a hora de fazer a foto para o Insta e eternizar a viagem ao Recife.

As carnes são o ponto alto ainda de outro restaurante “celebridade” do Recife, o Madero. A casa chegou ao shopping em 2018 e logo conquistou o público. Cortes variados de carnes dividem o destaque com os famosos hambúrgueres, com carne alta, queijo cheddar e uma maionese artesanal que vai fazer você querer voltar logo ao Recife pra comer de novo. Outra opção é o Choripán, sanduba típico argentino, com linguiça artesanal defumada. Democrática, a casa abre espaço no cardápio também para os veggies: há hambúrguer vegetariano, à base de quinoa, aveia, cenoura, alho-poró e cebola. Vale à pena dar uma olhada ainda nos sorvetes artesanais e nos drinques. A caipirinha de limão e gengibre sai em caneca congelada. Certeira contra o calor do Recife.

Um chazinho depois de toda essa festa gastronômica vai bem? O costume de chás gourmets, quentes e gelados, vem conquistando cada vez mais os pernambucanos. Mas esqueça a erva-doce e o capim-santo da vovó. Na Tea Shop, rede espanhola com 18 lojas no Brasil, os chás brancos, verdes e vermelhos é que reinam. A casa oferece mais de 120 variedades da bebida e acessórios que já garantem as lembrancinhas de viagem. Um dos mais pedidos é o Strawberry Cream, chá vermelho com alfarroba e morango. Há ainda drinques feitos com chá.

/**/
Site by Cappen